ARTIGOS

Você está em - Home - Artigos - Duração do persistente fluxo anormal do ducto venoso e seu impacto sobre o resultado perinatal em restrição do crescimento fetal.

Duração do persistente fluxo anormal do ducto venoso e seu impacto sobre o resultado perinatal em restrição do crescimento fetal.



OBJETIVO:
Para estudar, se a duração de anomalias individuais Doppler é um preditor independente de resultado adverso restrição do crescimento fetal (RCF), causada por disfunção placentária.
MÉTODOS:
Esta foi uma análise secundária de pacientes com FGR (circunferência abdominal <5 percentil (TH) e da artéria umbilical (UA) pulsatilidade (IP) de elevação) que tiveram pelo menos três exames antes da entrega. Dias de duração da ausência / invertida UA velocidade diastólica final (UA-DZ ou DR), baixa da artéria cerebral média PI (cérebro poupadores), ducto venoso (DV) e anormalidades veia umbilical Doppler foram relacionadas a natimorto, morbidade neonatal grave e sobrevivência intacta.
RESULTADOS:
Participantes do estudo cento e 77 foram submetidos a um total de 1.069 exames. A duração de um / ausente reverteu uma onda no DV (DV-RAV) foi significativamente maior em natimortos (mediana de 6 dias) em comparação com os sobreviventes intactos e aqueles com maior morbidade (mediana, 0 dias para tanto, p = 0,006 e P = 0,001, respectivamente). Duração do poupador cérebro também foi maior em casos de natimortalidade comparação com os sobreviventes intactos (mediana, 19 dias contra 9 dias, p = 0,02). Regressão multinomial logística stepwise mostrou que a idade gestacional no parto foi uma codeterminant significativa de resultados para todas as anormalidades arteriais Doppler quando o DV a-onda foi anterógrada. No entanto, quando está presente, a duração da DV-RAV era o único contribuinte a natimorto (probabilidade de natimortos = 1 / (1 + exp - (intervalo de entrega × 1,03-2,28)), r2 = 0,73). Receptor-operacionais estatísticas características curva mostrou que um DV-RAV por> 7 dias previsto natimorto (100% de sensibilidade, especificidade de 80%, razão de verossimilhança = 5.0, P <0,0001). Em contraste, nem a morte, nem neonatal morbidade neonatal foi predito pelos dias de persistente DV-RAV.
CONCLUSÕES:
A duração do fluxo ausente ou reverso durante a sístole atrial no DV é um forte preditor de morte fetal, que é independente da idade gestacional. Enquanto prematuridade continua a ser o mais forte preditor de risco neonatais é improvável que a gravidez pode ser prolongada por mais de 1 semana com essa configuração.

Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=).+%22Duration+of+persistent+abnormal+ductus+venosus+flow+and+its+impact+on+perinatal+outcome+in+fetal+growth+restriction.%22

VEJA TAMBÉM:

  • Curva de aprendizado na medida do ângulo facial frontomaxillary fetal entre 11-13 semanas de gestação.
  • Relação de interligam comprimento cabeça-nádega discrepância de corionicidade, morte fetal e discordância peso ao nascer.


  • Texto Original



    OBJECTIVE:
    To study if the duration of individual Doppler abnormalities is an independent predictor of adverse outcome in fetal growth restriction (FGR) caused by placental dysfunction.
    METHODS:
    This was a secondary analysis of patients with FGR (abdominal circumference < 5(th) percentile and umbilical artery (UA) pulsatility index (PI) elevation) who had at least three examinations before delivery. Days of duration of absent/reversed UA end-diastolic velocity (UA-AREDV), low middle cerebral artery PI (brain sparing), ductus venosus (DV) and umbilical vein Doppler abnormalities were related to stillbirth, major neonatal morbidity and intact survival.
    RESULTS:
    One hundred and seventy-seven study participants underwent a total of 1069 examinations. The duration of an absent/reversed a-wave in the DV (DV-RAV) was significantly higher in stillbirths (median, 6 days) compared with intact survivors and those with major morbidity (median, 0 days for both; P = 0.006 and P = 0.001, respectively). Duration of brain sparing was also longer in stillbirth cases compared with intact survivors (median, 19 days vs. 9 days, P = 0.02). Stepwise multinomial logistic regression showed that gestational age at delivery was a significant codeterminant of outcome for all arterial Doppler abnormalities when the DV a-wave was antegrade. However, when present, the duration of DV-RAV was the only contributor to stillbirth (probability of stillbirth = 1/(1 + exp - (interval to delivery × 1.03 - 2.28)), r2 = 0.73). Receiver-operating characteristics curve statistics showed that a DV-RAV for > 7 days predicted stillbirth (100% sensitivity, 80% specificity, likelihood ratio = 5.0, P < 0.0001). In contrast, neither neonatal death nor neonatal morbidity was predicted by the days of persistent DV-RAV.
    CONCLUSIONS:
    The duration of absent or reversed flow during atrial systole in the DV is a strong predictor of stillbirth that is independent of gestational age. While prematurity remains the strongest predictor of neonatal risks it is unlikely that pregnancy can be prolonged by more than 1 week in this setting.


    VEJA TAMBÉM:

  • Segundo trimestre Doppler das artérias uterinas índice de pulsatilidade e PP13 soro materno como marcadores de pré-eclâmpsia.
  • No primeiro trimestre comprimento do osso nasal fetal em uma população de etnia chinesa.